quinta-feira, 5 de junho de 2008

Sobre a amamentação

Com a proximidade do nascimento do puto, começo novamente a pensar no assunto.

Amamentei a Leonor até aos 17 meses e foi porque entretanto engravidei. Mas desenganem-se as boas mães, se acharem que por isso não sou desnaturada. Ah, pois claro que sou, porque sou também a primeira a dizer que isso de a amamentação ser um momento de plena sintonia e blá blá blá é mesmo isso, blá blá blá. Isto porquê? Simplesmente, porque cada caso é um caso.

Com a minha miúda, foi surreal, dos 2 até aos 4 meses, simplesmente porque, acordada, ela não mamava nada. Resultado: tinha de a adormecer 7 a 8 vezes por dia para ela mamar. Considerando que muitas vezes isso não coincidia com o horário de sono dela, era o caos. 1 hora antes de lhe dar de mamar já andava eu num stress, a imaginar que a miúda não ia comer. Sair de casa era um suplício,porque ela não mamaria nada. Entrei num esquema em que estava constantemente em ansiedade.

Tentei suplementos, dar o meu leite por biberão, nada. Só aos 4 meses descobri um suplemento que ela tolerava. Então aí introduzi primeiro 1 e depois 2 biberões por dia, nos horários em que normalmente era difícil adormecê-la (11 da manhã e 19 horas), mantendo a mama nas outras refeições. Foi uma libertação... Com a introdução dos sólidos a coisa foi-se tornando mais fácil e então a partir do momento em que ela só mamava de manhã e à noite correu tudo lindamente e durou até eu engravidar novamente.

O que na altura mais me chateou foi ouvir, sobretudo nos grupos de aconselhamento, que era quase uma obrigação minha não desistir e mais não sei o quê e a darem-me mil e uma estratégias que eu já lhes dissera que tinha experimentado em vão. É fácil opiniar, é fácil ter opiniões ortodoxas, quando os problemas acontecem com os outros.

Na altura, já não bastava o stress em que eu andava, ainda conseguiram a coisa fenomenal de me encherem de problemas de consciência por simplesmente ansiar por descobrir um suplemento que me libertasse daquela rotina de loucos.

Como disse, com a diminuição do número de refeições de mama de 7 para 5 e progressivamente para as 4, 3 e 2 fez ultrapassar todas as dificuldades e tornou viável dar de mamar até aos 17 meses. Claro que era uma "prisão", pelo facto de a pequena não beber senão o meu leite e pela mama, mas nada que honestamente me violentasse. Mas o que me irritou, acima de tudo, foi essa conversa de que amamentar é um milagre, uma obrigação, blá blá blá. Amamentar é óptimo quando é prazenteiro para mãe e filho. Quando não o for para algum deles, então aí é tudo menos um prazer. Fala quem viveu as duas situações.

6 comentários:

Rita disse...

ora eu fui chamada por muitos desnaturada.

Se com a B. a coisa deu se até aos 2 meses e acabou porque tive um fungo( e desde as 3 semanas q ela mamava peito e biberon pq o meu leite é fraco) já do D. as ricas enfermeiras na maternidade até olhavam p mim de lado.


na 2ª mamada o D pos me o peito em ferida. ele chorava p um lado com fome e eu para o outro com dores.

O coitado passou toda a 1ª noite a chorar, elas diziam q era cólicas( porque será que para elas é SEMPRE cólicas??) , eu dizia que era fome. Veio se a verificar que era mesmo fome.

logo na maternidade desisti. Disse lhes que não queria dar peito ao meu filho, sofrendo,nervosa e contrariada. Assim fui tirando com a bomba pq n doia nada.


ah e note se que a minha sogra, defensora de dar peito até à ultima casa FARTOU SE de me criticar... mas q hei de eu fazer... se sou desnaturada tenho só que assumir:P

Monica disse...

Disseste tudo com a frase "cada caso é um caso" ;)
beijocas

Mother_24 disse...

Ai credo nem me fales, eu só consegui amamentar até aos 2 meses e meio (sou considerada desnaturada por natureza) nem queiras saber a porrada psicológica que me fizeram... eu tenho lá culpa de produzir pouco leite? é que o miudo desde que nasceu era sofrego pelo leite!!! eu não sou uma vaca leiteira ora pffff

esta cena de andarem a insentivar as gajas a amamentar é boa, mas não exagerem por favor!!!

jocas

Cristina disse...

Cada caso é um caso. E a mim dói-me sempre no início. Agora, é um hábito já instalado. Acho que tenho sorte. Ou não! LOL Também há as desvantagens da amamentação...

Cristina

Silvia disse...

bem sabes q te entendo...só dou mama pq sei q até faz bem à miuda pois por minha vontade aquele momento do dia era suprido sem dificuldade. Dói-me a mama qd ela pega, sinto desconforto em toda a mamada...n compreendo quem diz q aquele é um momento unico...Deve mm ser problema meu!! LOL

Mãe da Rita disse...

Eu continuo a amamentar...2 anos depois, sem nunca ter pensado no caso. E, ao contrário, também sou desnaturada porque assim ela é uma viciada... Quem vem adormecê-la às 4 da manhã quando berra como uma gata selvagem? Ninguém! Então, dá-lhe mama um quarto de hora e ela adormece outra vez. Claro que estou farta, claro que a cumplicidade já passou, é o hábito. Cada caso é um caso (e se foi difícil de início....). O facto é que poucas vezes tem estado doente...